SOB PRESSÃO, É PRECISO MANTER O EQUILÍBRIO

O mundo de hoje testa o equilíbrio emocional das pessoas com frequência. Em situações de pressão, especialmente no ambiente de trabalho, é preciso manter o equilíbrio para não perder a razão. O consultor Marcelo Veras, diretor executivo da Inova Business School, reconhece: nem sempre é fácil, mas é preciso se esforçar para chegar lá.

Segundo Veras, o cenário atual, de mudança constante e grande concorrência e competição de maneira global, fez com que as empresas enxugassem seus quadros profissionais. Hoje as pessoas acumulam volume de trabalho equivalente ao que dois ou três profissionais faziam há alguns anos.

“Há mais pressão por resultado. Também temos de levar em conta a conectividade, estamos ligados 24 horas por dia. O trânsito é mais um problema, há também a insegurança. O resultado é que todo mundo tem os nervos à flor da pele. Essa competência é muito importante e hoje é um desafio desenvolvê-la”, alerta.

Veras afirma que o equilíbrio emocional pode ser desenvolvido, e o primeiro passo é querer. E, para querer, é fundamental entender a importância do equilíbrio para o sucesso no dia a dia, tanto no trabalho quanto fora dele.

“Tem gente que simplesmente não quer desenvolver o equilíbrio que acha que pode xingar funcionário, gritar e berrar, acha que isso é correto. Essas pessoas, via de regra, pagam o preço em algum momento. Quem pensa diferente e deseja desenvolver essa competência, precisa tomar medidas práticas, e o primeiro passo é entender que corpo e mente são uma engrenagem, funcionam juntos”, explica.

Um dos principais pontos a serem desenvolvidos é encontrar uma ou mais maneiras de relaxar. Veras compara o corpo humano a uma panela ligada ao fogo: é preciso tocar a válvula para o escape da pressão. E, nesse contexto, cada pessoa tem sua própria forma de extravasar: leituras, prática de esportes, convívio com a família… Opções não faltam.

“O equilíbrio emocional é uma competência comportamental, é uma atitude. E, como atitude, podemos decidir ter ou decidir não ter. A última pessoa no avião que pode se desesperar é o piloto, ele precisa estar sempre tranquilo. Também é assim na área executiva. Se o líder explodir, ele destrói o equilíbrio emocional da equipe inteira”, encerra.

Data da publicação: 08/06/2017